Gestão de Pontos de Água

A ADR atua na criação de um ambiente propício ao desenvolvimento de ações com vista á disponibilidade e melhoria de qualidade de água para a rega.
Gestão dos Pontos de Água de Rega

Gerir, Formar e Delegar

A ADR chamou a si, numa primeira fase, a gestão dos pontos de água de Rega existentes no país, para sanar problemas de gestão ineficiente dos mesmos, com o objetivo principal de formar jovens técnicos e operadores em Gestão e Adoção de Boas Práticas, para que estes constituam startups, e possam vir a gerir, com eficiência, transparência e rigor, esses pontos de Água.


A ADR chamou a si, numa primeira fase, a gestão dos pontos de água de Rega existentes no país, para sanar problemas de gestão ineficiente dos mesmos, com o objetivo principal de formar jovens técnicos e operadores em Gestão e adoção de Boas Práticas, para que estes constituam startups, e possam vir a gerir, com eficiência, transparência e rigor, esses pontos de Água.

Essa decisão foi tomada pelo governo, após uma reflexão profunda sobre a problemática da existência e gestão dos diferentes pontos de água existentes no país e a partir da constatação que a maioria era gerida com baixo rigor, de forma ineficiente e com elevado nível de opacidade e intransparência, gerando uma alta taxa de insatisfação por parte da maioria dos agricultores.

Entretanto, numa política clara de descentralização da gestão desses mesmos pontos, se aprouve a criação de oportunidades para jovens, dispensando-lhes a devida formação em Gestão Hídrica e Adoção de Boas Práticas de Gestão, para que venham, num futuro próximo, a curto prazo, gerir, através da criação de startups, esses pontos de água para rega, de maneira clara, eficiente, rigoroso e completamente transparente.


A ADR, numa atuação justa e imparcial, não descarta, contudo, qualquer possibilidade, nos casos em que tal se justifique, a recondução á frente da gestão de alguns pontos de água, dos gestores anteriores, verificada a boa gestão que fizeram dos mesmos, dispensando contudo áqueles uma formação para que possam estar dotados de ferramentas que permitem melhorias substanciais da gestão que vinham fazendo.

A conclusão a que chegamos é de que a transição da gestão desses pontos de água para a ADR chega a contento da maioria, devida à insatisfação quase generalizada em sua gestão. Das muitas visitas levadas a cabo pela ADR aos pontos de água existentes por todo o país, e principalmente nas principais ilhas agrícolas, como a Ilha de santiago e a Ilha de Santo Antão, esta transição é quase unânime, salvos alguns gestores de uma ou outra localidade, que erroneamente assumem ser os donos de nascentes e pontos de entrega de água.

A ADR tem em curso um conjunto de medidas, que passa, prioritariamente, por sessões de esclarecimento e de arbitragem, no sentido de demostrar quais as vantagens da transição da gestão desses pontos para a ADR, com ganhos consideráveis para os agricultores, na medida em que estes só terão de se ocupar da produção agrícola em si, mas também da possibilidade de gerar emprego a jovens dessas localidades, através da delegação dessa gestão, sem descartar a possibilidade de criação de mais pontos, através de novos furos e de investimentos do governo,  equipamentos e assinatura de convénios que ajudem a melhorar o setor.